COMUNICANDO: Marketing Digital Brasileiro X Internet Marketing Americano – Parte I

Melhor ou pior? Sempre pedem para eu comparar o marketing digital brasileiro com o internet marketing americano, já que aprendi lá e uso aqui, além de publicar conteúdo de parceiros americanos em meu portal. Para resumir o que acho de cada um, pego emprestado o lema da escola de samba carioca Salgueiro: nem melhor, nem pior, apenas diferente.

Marketing Digital Brasileiro X Internet Marketing Americano – Parte I

Esta é a primeira parte de duas. Retorne em breve ou cadastre-se para ser informado da publicação da segunda parte deste artigo.

Explicando para visitantes mais recentes, meu aprendizado de marketing digital ocorreu nos EUA, mas quase sempre foi usado em sites destinados ao mercado brasileiro. A história da criação de meu negócio de internet você pode ler em Será Possível Começar um Site Hoje, Sem Investir Praticamente Nada, e Ser Bem Sucedido? Pela história do lançamento, crescimento fulminante e desaparecimento de meu primeiro negócio de internet, conto um pouco da história do marketing digital.

Como devemos consumir conteúdo originado em outro país? Primeiramente, é preciso entender as diferenças.

A primeira diferença é quem tem negócios na internet. Nos Estados Unidos, pesquisas informam que milhões de pessoas físicas ou empreendedores individuais têm como principal fonte de renda negócios realizados nos grandes e-marketplaces, espaços virtuais de compra e venda, como Ebay, Amazon e Craigslist e Clickbank, entre outros. Ao mesmo tempo que esses gigantescos players têm enorme representatividade nas vendas online, eles também abrem espaço para que pequenos negócios e empreendedores individuais possam fazer negócios com produtos próprios e de terceiros, novos e usados, além de e-books de produção própria.

No Brasil, as médias e grandes empresas dominam o mercado. Lentamente as micro e pequenas empresas vêm descobrindo a internet, enquanto os empreendedores individuais estão partindo para a internet mais rapidamente, entrando no mercado por meio de blogs eperfis mais elaborados no Facebook e Twitter. Com o crescimento do acesso à internet por smartphones e tablets, e a consequente importância que as buscas têm dado aos chamados resultados locais, as pequenas empresas certamente serão estimuladas a levar seus negócios para a internet, a fim de usufruir da procura por negócios próximo aos locais de onde o cliente se conecta.

Outra grande diferença é a quem se destina o marketing digital em cada país. Ao passo que, no mercado americano, os chamados gurus do internet marketing têm como mercado-alvo pequenas empresas e empreendedores individuais, o mercado digital do Brasil têm como foco as empresas médias e grandes. Aqui, os maiores cursos e eventos se sentem obrigados a trazer professores ou palestrantes que sejam responsáveis por grandes e-commerces ou empresas, pois estes têm mais apelo ao público. Enquanto nos EUA quem ensina tem a experiência própria de fazer, no Brasil eles entram com a força da história das empresas em que trabalham. Esclareço que não há julgamento nessa constatação. Há vantagens nos dois modelos, o ideal é participar de cursos e eventos que mesclem esses dois enfoques de conhecimento.

Quanto ao material de aprendizado de marketing digital, no Brasil predomina o livro impresso, que, além de ferramenta de estabelecimento de status de autoridade, também é fonte de renda para os escritores. Nos EUA, livros impressos de marketing digital têm desconto de até 100%, o importante é vender muito, conseguir exposição e entrar para listas de best sellers. A renda vem da venda de e-books, sistemas ou ferramentas e produtos complementares. E-books de marketing digital no Brasil são utilizados principalmente para oferta de download gratuito, em troca de cadastro de e-mails ou curtidas em fan pages. Nos EUA, os e-books, por vezes, custam mais caro que livros impressos, devido à enorme procura e à oferta de informações diferenciadas.

A internet é invenção de um inglês, mas as formas de se ganhar dinheiro com ela, têm origem, na imensa maioria das vezes, nos Estados Unidos. Assim, é muito importante acompanhar o marketing digital americano, mas é primordial entender que tudo que é criado lá, para aplicação aqui, deve ser:

  • Traduzido
    Apresentação de texto originalmente produzido em uma língua em outra língua. Em menor complexidade é uma interpretação literal.
  • Localizado
    A adequação cultural ou localização, considera a forma que os novos usuários agem como povo, sua cultura, características e idiossincrasias. Os exemplos também devem ser localizados.
  • Adaptado
    Em se tratando de negócios, é importante que haja também uma adaptação à cultura de negócios. A forma de fazer negócios talvez seja o que mais diferencie um mercado de outro. O conteúdo, quando adaptado para outro país, tem que também deve passar por essa análise e adaptação.

Somente após esses três trabalhos, um conteúdo originalmente produzido no exterior pode ser apresentado em outro pais. Tenho acordos comerciais e parcerias com conteudistas americanos e a maior dificuldades nessas parcerias é fazê-los entender que a tradução (no caso, da língua americana para a portuguesa) e a localização (adequação cultural) não são suficientes para tornar um conteúdo apropriado. A forma de fazer negócios, características de mercado e os players de destaque também tem que ser considerados nessa adaptação.

Duas figuras de linguagem merecem destaque na adaptação de conteúdo originalmente produzido em outro idioma. É indiscutível que profissionais de marketing brasileiro têm o (mau?) hábito de usar prioritariamente termos em outros idiomas, principalmente o inglês, em textos e campanhas destinadas ao público brasileiro. Agora, é aceitável o uso deestrangeirismos por:

Inovação
Situação em que usamos termos em outra língua quando não temos palavras específicas em nossa própria língua.

Facilidade de comunicação
Quando uma determinadas palavra aglutina diversos significado em inglês, por exemplo, mas, em português precisaríamos de várias para dizer o mesmo. Player, por exemplo, em inglês significa jogador, executor, ator, interveniente, operador, protagonista. Eu atinjo mais diretamente o público que se interessa por marketing ao falar dos grandes players do mercado do que atores, por exemplo.

Problemas com a eufonia
O som não é agradável aos ouvidos, como sítio ao invés de site. Não vai pegar, simplesmente porque soa mal.

Agora, vamos combinar que e-commerce, no lugar de comércio eletrônico é totalmente desnecessário, mas se a análise de SEO diz que as duas formas recebem muitas buscas no Google, trate de colocar ambas no texto… Particularmente, escrevo para pessoas. Deixo o SEO em nível secundário de importância, pois noto que as buscas são inteligentes o suficiente para considerarem essa minha postura como geradora de conteúdo relevante.

Há programas em inglês que geram até 200 variações de um mesmo texto, todas gramaticalmente corretas. Graças a essa possibilidade, o número de sites com conteúdo “repaginado” é gigante. Isso faz com que seja muito importante filtrar quem deve ser acompanhado. Também é muito mais fácil vender nos EUA, devido à uma característica bem americana, o consumismo. Juntar um meio em que a compra por impulso é uma tendência, como a internet, com um consumidor voraz é uma combinação explosiva. No Brasil, até mesmo por características do idioma, é mais complexo gerar conteúdo realmente original e o público consumidor também é muito mais exigente tanto quando consome conteúdo quanto na hora de abrir a carteira.

Essa é uma pequena parcela das muitas diferenças entre o marketing digital brasileiro e o internet marketing americano. Na segunda parte deste artigo falarei de páginas e pessoas que devem ser acompanhadas, cursos, eventos e diversas fontes de informação no exterior.

Alex Morais
Fonte: Marketing Digital
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s